40 principais gírias mineiras e como usá-las


Taysa Coelho
Revisão por Taysa Coelho
Jornalista

Escrito por Thaís Stein

Mineiros são conhecidos por serem muito acolhedores e também por sua linguagem cheia de “uai”, “trem” e diversas outras gírias e palavras cortadas. Para não se perder no mineirês, montamos um breve dicionário com as palavras e gírias mineiras mais usadas.

1. Trem

Um clássico mineiro, trem pode significar praticamente qualquer coisa, objeto ou comida. Tudo pode ser um trem.

Pode pegar aquele trem ali para mim?

Estou com vontade de comer um trem bom hoje.

2. Andar no passeio

É o mesmo que andar na calçada.

Sai da rua e vai para o passeio, menino.

3. Ansdionte

Jeitinho mineiro e abreviado para falar antes de ontem.

Aquele pão ali é de ansdionte.

4. Apruma o corpo

Significa endireitar, corrigir a postura.

Apruma esse corpo para não ficar torto.

5. Arreda

Usado para pedir para alguém cair fora, ir para outro lugar.

Arreda o pé que eu estou passando a vassoura na sala.

6. Arroiado

Arroiado é o mesmo que cheio, lotado.

Estou arroiado de trabalho para fazer.

7. Barango

Sinônimo de feio ou não atraente visualmente. Serve para falar de coisas, pessoas ou lugares.

Mas aquele seu amigo é barango, hein?

8. Bicudo

É o mesmo que bêbado.

O Marco ficou bicudo na festa de ontem.

9. Bobiça

Bobagem, algo inútil.

Larga de bobiça e vai logo trabalhar.

10. Bololô

É o mesmo que bagunça, confusão. Também pode ser usado como sinônimo de briga.

Mas esse seu quarto está um bololô.

Matilde, teve um bololô na rua de baixo ontem à noite.

11. Breguete

Assim como trem, pode ser usada para coisa ou objeto.

Pegue aquele meu breguete de cabelo que deixei em cima da mesa, por favor?

12. Cadiquê

Mineirês para por causa de quê.

Cadiquê você está indo dormir tão tarde?

13. Cascar fora

É o mesmo que ir embora ou sair correndo, muitas vezes para evitar uma situação.

Já terminei o trabalho, vou cascar fora.

14. Cata-jeca

Nome dado a ônibus que para em muitos lugares para pegar passageiros.

Anda logo, senão você vai perder o horário do cata-jeca.

15. Coitádocê

Jeito mineirinho de dizer coitado de você. Usado para expressar dó ou pena de alguém.

Coitádocê se acha que vai conseguir me ganhar.

16. Cumê di capitão

Comer com as mãos, sem usar talheres.

Essa comida aqui é para cumê di capitão.

17. Custoso

Custoso é uma gíria para algo difícil. Pode ser usada para alguma situação ou para pessoas.

A prova de Matemática foi custosa, né?

18. Encarangá

Significa se encolher de frio.

Estou todo encarangado aqui.

19. Espia só

O mesmo que olha só. Usado para chamar a atenção de alguém.

Espia só aqui o almoço que to fazendo.

20. Ficar injuriado

Significa estar com raiva de alguém ou com alguma situação.

Fiquei injuriada com meu namorado ontem.

21. Fragar

É sinônimo de entender.

E aí, cê fraga ou não fraga?

22. Gastura

Pode ser usada para exprimir agonia, aflição e até mesmo nojo.

Não passa a unha na lousa que eu tenho gastura.

23. Intojado

Pessoa chata, esnobe, metida.

Olha, a filha da Maria é uma intojada mesmo.

24. Moitá

Moitá é o mesmo que esconder, não falar. A gíria vem da ideia de se enfiar em uma moita de mato.

Eu vou moitá em casa a semana toda.

25. Nigucim

Jeito mineirês de dizer negocinho. Usado para referir a qualquer coisa pequena.

Ô João, pega aquele nigucim em cima da mesa para mim?

26. Niqui

Contração para no momento em que.

Niqui ela chegou, eu já fiquei nervoso.

27. Nó

Uma das abreviações mais famosas dos mineiros! É uma contração de “Nossa senhora”. A gíria é usada para expressar espanto, indignação, surpresa ou para enfatizar algo.

Nó, essa festa estão muito boa.

28. Paia

Gíria usada para falar sobre algo que não é bacana, é sem noção ou sem graça.

Nó, véi, aquela sua atitude ontem foi muito paia.

29. Peleja

Peleja é o mesmo que luta, disputa. Também pode significar trabalhar.

Lá vou eu para a minha peleja diária.

Passei o dia todo pelejando.

30. Picar a mula

É o mesmo que ir embora, cair fora.

Quando a sua mãe chegar, eu vou picar a mula.

31. Pingando de sono

É o mesmo que dizer que está morrendo de sono, muito cansado.

Não sei se vou, estou pingando de sono.

32. Rapa do tacho

Como os chamam os filhos mais novos, os caçulas.

Esse aqui é o Jorge, minha rapa do tacho.

33. Riliento

É alguém briguento, que gosta de arrumar confusão.

Aquele Pedrinho é riliento que só.

34. Sô

É uma forma usada para chamar alguém ou para dar ênfase a uma frase. Se a pessoa for do gênero feminino, pode ser usado .

Num faz isso não, sô.

35. Tem base

Usado para perguntar ou afirmar que algo isso tem fundamento, cabimento.

Tem base isso aí que você está me dizendo?

36. Tem gáio não

É o mesmo que dizer que não tem problema.

- Mauro, não vou conseguir ir ao jogo amanhã.

- Tem gáio não, sô.

37. Tiquim

É o mesmo um pouquinho.

Me dá um tiquim dessa comida aí, sô.

38. Uai

Essa gíria é uma espécie de coringa, que serve tanto para expressar dúvida, espanto, surpresa, raiva, etc.

- Uai, você não vai sair hoje não?

- Claro que vou uai, já tinha te dito.

- Uai! Não lembrava.

39. Véi

Uma forma de chamar alguém. É como cara é usado no Rio de Janeiro e o mano, em São Paulo.

Fala isso não, véi!

40. Xuxá

Ação de molhar ou umidecer um pedaço de comida em um molho ou condimento.

Que vontade de xuxá esse pão na maionese.

Como falar o mineirês e por que eles falam desse modo?

Os mineiros costumam abreviar palavras e omitir certas letras e sílabas. O ocê (você) e procê (para você) são alguns dos exemplos. Em outros casos, frases como No momento em que podem virar um simples niqui. Ou um Nossa Senhora se torna apenas nó ou nu.

Além disso, em vocábulos no diminutivo, inho ou inha são sempre substituídas por im. Pouquinho vira pouquim, cafézinho será cafezim, e por aí vai.

Estudos realizados pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mostram que o sotaque mineiro pode mudar de acordo com a região. E, inclusive, sofrer influência dos estados com os quais fazem fronteira.

Esse jeitinho de falar típico, no entanto, pode ter tido diferentes influências. Elas vão desde os cativos africanos, passando pelo colonizadores portugueses e chegando até mesmo aos ingleses.

O famoso Uai mesmo, pode ter surgido com a palavra em inglês Why (Por quê?, em português), após a chegada de imigrantes britânicos à região.

Veja também:

Taysa Coelho
Revisão por Taysa Coelho
Movida pela curiosidade, adora conhecer coisas novas e acredita que, por isso, se tornou jornalista. No tempo livre, gosta de ir à praia, ler, ver filmes e maratonar séries. Carioca formada pela UFRJ, atualmente vive em Portugal, país que adotou.