Melhores Trava-Línguas


Mariana Lapeloso
Mariana Lapeloso
Caçadora de memes

O trava-línguas é um conjunto de palavras de difícil pronunciação para que possam ser feitas disputas divertidas na tentativa de falar rapidamente as frases.

Confira uma lista com 90 trava-línguas para utilização no dia-a-dia em brincadeiras e métodos educativos com crianças.

Trava-línguas fáceis para crianças

  1. O rato roeu a roupa do Rei de Roma e a rainha com raiva resolveu remendar;
  2. Toco preto, porco fresco, corpo crespo;
  3. Fala, arara loura. A arara loura falará;
  4. Bagre branco, branco bagre;
  5. Chega de cheiro de cera suja;
  6. A babá boba bebeu o leite do bebê;
  7. Um limão, mil limões, um milhão de limões;
  8. Caixa de graxa grossa de graça;
  9. Atrás da porta torta tem uma porca morta;
  10. Teto sujo, chão sujo;
  11. Se o papa papasse pão;
  12. Atrás da pia tem um prato, um pinto e um gato;
  13. É preto o prato do pato preto;
  14. A batina do padre Pedro é preta;
  15. Rosa vai dizer à Rita que o rato roeu a roupa da rainha;
  16. A chave do chefe Chaves, está no chaveiro;
  17. Norma nina o nenê de Neuza;
  18. O Juca ajuda: encaixa a caixa, agacha, engraxa;
  19. O Papa papa o papo do pato;
  20. O Pedro pregou um prego na pedra;
  21. O rato roeu o rabo da raposa;
  22. Tigelinha de água fria, que caiu da prateleira, foi nos olhos de Maria, que chorou segunda-feira;
  23. Chuva e sol, casamento de espanhol;
  24. Pedro o pintor pinta o quadro do pintor paulo e paulo o pintor pinta o quadro do pato pedreiro;
  25. O palhaço foi no palácio fazer palhaçada para o rei que do palácio expulsou o engraçado palhaço;
  26. Bote a bota no bode e tira o pote do bode;
  27. Gato escondido com rabo de fora está mais escondido que rabo escondido com gato de fora;
  28. A vaca malhada foi molhada por outra vaca molhada e malhada;
  29. Enquanto Bia brinca, Bianca briga;
  30. O dedo do Dudu é duro;
  31. É muito socó para um socó só coçar;
  32. O rei de Roma ruma a Madri;
  33. Como a liga não me liga, eu também não ligo a liga;

Trava-línguas do folclore brasileiro

  1. O rato roeu a rolha da garrafa de rum do rei da Rússia
  2. Três pratos de trigo para três tigres tristes;
  3. O sabiá não sabia que o sábio sabia que o sabiá não sabia assobiar;
  4. Num ninho de mafagafos, cinco mafagafinhos há! Quem os desmafagafizá-los, um bom desmafagafizador será.
  5. Embaixo da pia tem um pinto que pia, quanto mais a pia pinga mais o pinto pia!
  6. O padre pouca capa tem, porque pouca capa compra;
  7. Farofa feita com muita farinha fofa faz uma fofoca feia;
  8. O que é que Cacá quer? Cacá quer caqui. Qual caqui que Cacá quer? Cacá quer qualquer caqui;
  9. Luzia lustrava o lustre listrado, o lustre listrado luzia;
  10. Uma trinca de trancas trancou Tancredo;
  11. A Cuca cutuca a criança; A Cuca cutuca o Caqui; O Cucu cutuca a Cuca; A Cuca cutuca o Saci; A Cuca cutuca a arapuca da Tuca;

Trava-línguas difíceis

  1. A Iara agarra e amarra a rara arara de Araraquara.
  2. Paulo Pereira Pinto Peixoto, pobre pintor português, pinta perfeitamente portas, paredes e pias. Por Evaí Oliveira, por parco preço, patrão;
  3. Palma, palminha, Palminha de Guiné, para quando papai vier, mamãe dá a papinha, vovó bate cipó, na bundinha do nenê;
  4. A pia pinga, o pinto pia, pinga a pia, pia o pinto, o pinto perto da pia, a pia perto do pinto;
  5. Lanço o laço no salão. O lenço, lanço. A lança, não;
  6. A fiadeira fia a farda do filho do feitor Felício;
  7. Lá vem o velho Félix, com um fole velho nas costas, tanto fede o velho Félix, como o fole do velho Félix fede;
  8. Lá de trás de minha casa Tem um pé de umbu butando Umbu verde, umbu maduro, Umbu seco, umbu secando;
  9. Biblioteca, bicicleta Sabrininha é sapeca bicicleta, biblioteca Sabrininha come bisteca bistequinha da Sabrina que anda de bicicleta e lê na biblioteca;
  10. Lalá, Lelé e Lili e suas filhas, Lalalá, Lelelé e Lilili e suas netas Lalelá, Lelalé e LeLali e suas bisnetas Lilelá, Lalilé e Lelali e suas tataranetas Laleli, Lilalé e Lelilá cantavam em coro LÁLÁLÁLÉLÉLÉLILILI;
  11. O seu Tatá tá? Não, o seu Tatá não tá, Mas a mulher do seu Tatá tá. E quando a mulher do seu Tatá tá, É a mesma coisa que o seu Tatá tá,tá?;
  12. Paraquedista brinquedista faz brinquedo paraquedista paraqueda brinquedista;
  13. A rua de paralelepípedo é toda paralelepipedada;
  14. Abadalado, Ababadado, Ababelado, Abobadado;
  15. Quem a paca cara compra, caro a paca pagará;
  16. Enquanto Orsine bala dava, o sino badalava;
  17. Maria-mole é molenga. Se não é molenga não é maria-mole. É coisa malemolente, nem mala, nem mola, nem Maria, nem mole;
  18. Larga a tia, largatixa! Lagartixa, larga a tia! Só no dia em que a sua tia Chamar a largatixa de lagartixa;
  19. Tal tatu Tá tendo um treme traco Troco treco por tramoia Trava-línguas Por Evaí Oliveira Com a traquina da jiboia E a jiboia que não boia Sempre zoia Tal tatu com seu balaio Tal qual paca do soslaio;
  20. Tacho sujo, chuchu chocho;
  21. Tem uma tatu-peba, com sete tatupebinha. Quem destatupebá ela, bom destatupebador será;
  22. Quando toca a retreta, na praça repleta, se cala o trombone, se toca a trombeta;
  23. O caju do Juca, e a jaca do cajá. O jacá da Juju, e o caju do Cacá;
  24. No morro chato, tem uma moça chata, com um tacho chato, no chato da cabeça. Moça chata, esse tacho chato é seu;
  25. É crocogrilo? É cocodrilo? É cocrodilo? É cocodilho? É corcodilho? É crocrodilo? É crocrodilho? É corcrodilo? É cocordilo? É jacaré? Será que ninguém acerta O nome do crocodilo mané?;
  26. Em rápido rapto, um rápido rato raptou três ratos sem deixar rastros;
  27. Não confunda ornitorrinco com otorrinolaringo logista, ornitorrinco com ornitologista, ornitologista com otorrinolaringo logista, porque ornitorrinco, é ornitorrinco, ornitologista, é ornitologista, e otorrinolaringo logista é otorrinolaringo logista;
  28. Se o Pedro é preto, o peito do Pedro é preto e o peito do pé do Pedro também é preto
  29. Um ninho de carrapatos, cheio de carrapatinhos, qual o bom carrapateador, que o descarrapateará?
  30. O bispo de Constantinopla, é um bom desconstantinopolitanizador. Quem o desconstantinopolitanizar, um bom desconstantinopolitanizador será.
  31. Há quatro quadros três e três quadros quatro. Sendo que quatro destes quadros são quadrados, um dos quadros quatro e três dos quadros três. Os três quadros que não são quadrados, são dois dos quadros quatro e um dos quadros três.
  32. O princípio principal do príncipe principiava principalmente no princípio principesco da princesa.
  33. Se vaivém fosse e viesse, vaivém ia, mas como vaivém vai e não vem, vaivém não vai.
  34. Tecelão tece o tecido em sete sedas de Sião. Tem sido a seda tecida na sorte do tecelão.
  35. Para ouvir o tique-taque, tique-taque, tique-taque. Depois que um tique toca é que se toca um taque.
  36. Em rápido rapto, um rápido rato raptou três ratos sem deixar rastros

Trava-línguas em poemas

  1. A aranha arranha a rã. A rã arranha a aranha. Nem a aranha arranha a rã. Nem a rã arranha a aranha;
  2. O doce perguntou pro doce, qual é o doce mais doce que o doce de batata-doce. O doce respondeu pro doce, que o doce mais doce que o doce de batata-doce. É o doce de doce de batata-doce;
  3. Pardal pardo, por que sempre palras? Palro sempre e palrarei, porque sou pardal pardo. O palrador d'el-rei.
  4. Alô, o tatu tá ai? – Não, o tatu não tá. Mas a mulher do tatu tando. É o mesmo que o tatu tá;
  5. O Tempo perguntou pro tempo quanto tempo o tempo tem, o Tempo respondeu pro tempo que o tempo tem o tempo que o tempo tem;
  6. Se o Papa papasse papa. Se o Papa papasse pão. O Papa tudo papava. Seria o Papa papão;
  7. Quando digo "digo", digo "digo. Não digo "Diogo". Quando digo "Diogo", digo "Diogo". Não digo "digo";
  8. Não sei se é fato ou se é fita. Não sei se é fita ou fato. O fato é que você me fita e fita mesmo de fato;
  9. Olha o sapo dentro do saco. O saco com o sapo dentro. O sapo batendo papo e o papo soltando o vento;
  10. A Iara agarra e amarra a rara arara de Araraquara;

Trava-línguas

Origem do Trava-Línguas

O trava-língua surgiu em uma época em que a linguagem oral era muito mais bem vista e valiosa que a escrita.

Os cidadãos utilizavam da técnica para treinar seu modo de falar e ter uma dicção melhor, principalmente para apresentações em público com outras pessoas.

O método foi se popularizando cada vez mais e se tornou uma brincadeira bastante conhecida e nas escolas, se tornou uma forma usada por professores para alfabetizar crianças.

Confira outros artigos:

Mariana Lapeloso
Mariana Lapeloso
Estudante de jornalismo e caçadora de memes nas horas vagas.